banner interno

Os impermeabilizantes são peças importantes no embelezamento das casas, finalizado pelas cores das tintas.

auxilio para a beleza

Tinta é o nosso principal negócio! Este não é só o lema da nossa revista como também é a maior fonte de faturamento dos nossos leitores, o revendedor. Porém, ela não está sozinha. Se pensarmos em tinta imobiliária como ferramenta de manutenção, beleza e bem estar para os lares brasileiros, a tinta precisa de muita ajuda. Lajes de cobertura, calhas e telhados são diretamente expostos à incidência de chuvas, sofrendo ainda com a ação do sol. Por esta razão, a impermeabilização deve garantir a estanqueidade, acompanhar as movimentações da estrutura – decorrentes, inclusive, das variações de temperatura – e ainda auxiliar no conforto do ambiente, reduzindo as temperaturas internas.

É aí que entra o impermeabilizante, que tem a função de garantir que não ocorra depreciação do imóvel e consequente desvalorização e acúmulo de micro-organismos que prejudicam a saúde dos moradores, como conta Graziele Storani, coordenadora de Marketing da Mactra. “Proteger a saúde dos habitantes e a segurança do imóvel das ações prejudiciais da água, seja ela proveniente do solo, do uso ou da manutenção”.

Para ela, a falta ou falha na especificação e utilização da impermeabilização trará consequências ao imóvel tanto financeiramente como a saúde dos seus ocupantes. “Independentemente do tipo de projeto, onde existir a presença do solo, contato com chuva, manutenção de limpeza ou qualquer outro contato com a água ou vapor, a impermeabilização é indispensável”.

A maioria das pessoas desconhece a seriedade dos problemas que poderão ocorrer em um imóvel devido à falta de impermeabilização e, por isso, muitas vezes a impermeabilização tem suas etapas negligenciadas.

O gerente comercial da Viapol, José Eduardo Granato, informa que os impermeabilizantes protegem, também contra a umidade do solo, aliada ou não às atmosferas agressivas nos centros urbanos e ambientes marítimos, e que provoca patologias nas edificações. “As infiltrações de água causam corrosão de armaduras da estrutura de concreto e fazem com que ele perca sua capacidade de resistência. Além do concreto, a maioria dos materiais de construção como alvenarias, gesso, pinturas e revestimentos também sofrem pela penetração indesejável de umidade. Aliado a isso, temos o problema da salubridade do ser humano, já que a umidade favorece a proliferação de fungos, mofo e outras bactérias e organismos nocivos”.

Para o consultor técnico da Hydronorth, Jonatas R. de Paula, a impermeabilização é importante em todas as etapas da construção e não deve ser negligenciada em nenhuma das fases. ”Ela deve ser iniciada já no alicerce, evitando assim, que a umidade suba para as paredes. E assim, sucessivamente, em todas as etapas da construção, tais como as áreas frias, banheiros, piscinas, sacadas, áreas de serviço e toda e qualquer área que possa estar em contato direto ou indireto com a umidade”.

Segundo ele, é importante considerar vários fatores, pois cada área requer um tipo de aplicação de acordo com suas características. “Tem de se levar em consideração a que tipo de esforços (físico ou mecânicos) estas áreas estarão sujeitas, assim como a agressividade do tempo tais como sol, chuva, maresia, etc. O tipo e as características da edificação também podem interferir no tipo de impermeabilização utilizada. O importante é contratar um profissional capacitado para que faça um planejamento adequado às necessidades da obra e recomende produtos de qualidade e com características propícias a cada tipo de impermeabilização”.

Sendo assim, primeiramente deve-se avaliar as áreas que possam ter contato com a umidade ou infiltração, em seguida qual a solicitação da impermeabilização e o tipo de superfície (se ela se movimenta ou não) podendo desta forma dimensionar o melhor material para cada superfície.

O gerente comercial da Viapol, José Eduardo Granato, informa que o custo de uma impermeabilização na construção civil é estimado em 1% a 3% do custo total de uma obra. No entanto, a não funcionalidade da mesma poderá gerar custos de reimpermeabilização que superam 5% a 10% do custo da obra. “Muitas vezes as reimpermeabilizações envolvem quebras de piso cerâmico, granito, argamassas, entre outros. Portanto é muito importante procurar empresas sérias e profissionais de boa capacidade tecnológica”, sugere.

Referência: PINTOU NA ARTESP – Abril, Maio e Junho de 2015.